Vagão dos Ventos
Silvia Schmidt


Vagão dos Ventos
Sílvia Schmidt


Ah, como dói saber que os mesmos braços
Que enlaçaram o meu corpo já não mais
Guardam de mim lembranças e sinais!
Ah, como dói este romper de laços!



Ah, como fitam os meus olhos baços
Em meu espelho os refletidos ais
Do coração, lugar de onde não sais,
E onde tu ocupas todos os espaços!



Ah, quem me dera um dia eu habitar
Terras estéreis e não mais plantar
Estas sementes vis de sofrimentos!



Talvez por companhia só lembranças,
A alma vazia e mortas esperanças
De ir aos teus braços no vagão dos ventos.


"Respeite os Direitos Autorais"

 

Romantic Home/ Web designer Ana Amélia Donádio
Página editada em 19/05/2005.
®DireitosAutoraisReservados©